Luz pulsada realmente trata os vasinhos???


O uso do laser no tratamento de lesões vasculares iniciou-se no final dos anos 60 com o laser de argônio. Na década de 90 o FDA aprovou o uso da luz pulsada para os mesmos fins, e em 1994 foi lançado no mercado o primeiro dispositivo de Luz Pulsada (IPL)

A luz pulsada é uma forma de tratamento dos vasinhos das pernas sem agulhas!

Como é possível tratar os vasinhos usando 'luz'?


O tratamento das telangectasias com lasers ou IPL baseia-se na teoria da ‘fototermólise seletiva’. Isso significa basicamente que a luz que aplicamos deve ter absorção pelos cromóforos (moléculas que absorvem a energia) do tecido que queremos atingir (no tratamento das lesões vasculares, a hemoglobina). Nos vasos mais superficiais e avermelhados, ricos em oxigênio, temos predomínio da oxiemoglobina e nos vasos um pouco maiores, azulados e mais profundos, da deoxiemoglobina. A absorção de energia pela hemoglobina provoca aquecimento local. A energia térmica produzida se espalha e provoca lesão do vaso, resultando em sua trombose e, posteriormente, o seu desaparecimento.


Ao contrário dos dispositivos de lasers que se caracterizam pela emissão de feixes de luz coerentes (no mesmo sentido) e de comprimento único, as fontes de IPL emitem amplos espectros de luz incoerente, e com comprimentos variando de 515 a 1200nm.
Mas o que isso quer dizer...? A variedade do comprimento de ondas na IPL permite o tratamento de diversas lesões, mas como não podemos selecionar um comprimento único, o risco de afetar outros tecidos além do que se deseja tratar, provocando manchas e outros efeitos desagradáveis, é maior.

E porque há risco de manchas?


A faixa de absorção de luz pela pela hemoglobina em certos comprimentos de onda é muito próxima da absorção de luz pela melanina da pele, ou seja... dependendo da intensidade e dos comprimentos de onda da luz que é aplicada, pode-se atingir ao mesmo tempo os vasos e a melanina, provocando manchas geralmente hipocrômicas (brancas) de difícil tratamento....

A luz pulsada é absorvida pela hemoglobina, molécula que existem dentro dos glóbulos vermelhos do sangue


Para usar a IPL com menor risco de complicações, usa-se um ‘filtro de corte’ que limita o espectro de luz a ser aplicado. Geralmente o filtro considerado seguro emite feixes entre 515 e 590nm, que são eficazes apenas para o tratamento das lesões vasculares mais superficiais, de pequeno calibre e ricas em oxigênio. Para os demais tipos de lesões, é preferível recorrer a outros tratamentos

Você agora pode estar se perguntando... AFINAL, FUNCIONA OU NÃO???


Como todos os tratamentos disponíveis para os vasinhos , (leia mais no texto Vasinhos nas pernas:como acabar com eles!), a eficácia varia de acordo com uma série de fatores, entre eles:

1. O vaso a ser tratado

Para os vasinhos vermelhos e fininhos da face a luz pulsada é uma ótima alternativa
- Vasinhos fininhos e vermelhos (como aqueles da asa do nariz) respondem bem ao tratamento com IPL, com pouco risco de complicações

- Quando há veias maiores nutrindo os vasinhos fininhos, a resposta com a IPL tende a ser menos eficaz se as ‘raízes’ não forem tratadas previamente

- Para tratar vasos azulados e mais profundos a escleroterapia convencional e o laser Nd:yag costumam ser opções melhores


2. O seu tipo de pele
- Peles mais morenas, bronzeadas e orientais têm um maior risco de discromias (manchas) secundárias ao tratamento


3. O local e os profissionais que realizam o procedimento.


Cuidado: muitas clínicas de estética vendem luz pulsada como laserCUIDADO! Certifique-se de que o local que você escolheu siga as normas de segurança, que os profissionais sejam habilitados e que os equipamentos sejam de qualidade (sim, um equipamento mal regulado ou mal utilizado pode gerar resultados desastrosos) DESCONFIE de promessas ‘milagrosas’ ou preços atrativos demais.... E CONFIRA se não está levando ‘gato por lebre’: Laser e Luz Pulsada são coisas diferentes, para diferentes finalidades e com valores diferentes...



Pra finalizar o post de hoje, o que sempre ressaltamos por aqui: ANTES de realizar qualquer procedimento, por mais trivial que possa parecer, consulte seu médico. Ele é certamente a pessoa mais indicada para lhe orientar!

Quer saber um pouquinho mais da ciência por trás disso?
Leia aqui e aqui!

Até a próxima!


Dra Anelise Rodrigues - Cirurgia Vascular
Sobre a autora
Dra. Anelise Rodrigues é médica, formada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Especialista em Cirurgia Vascular pela SBACV/AMB. Estágios em Cirurgia Endovascular na Universidade de Barcelona / Espanha e Ultrassom Vascular na Clínica Fluxo/SP e no Maimonides Medical Center, New York/USA.
 Atua como Cirurgiã Vascular em São Paulo/SP e Cuiabá/MT.
Google+   Instagram 
Facebook




Postar um comentário