Viajar de avião pode matar? Saiba prevenir a trombose em viagens longas

Janeiro é mês de férias e muita gente vai aproveitar para viajar e passear. Por causa disso, algumas pessoas me perguntaram a respeito do risco de ter uma trombose durante as viagens de avião. Será que é possível morrer por conta de uma viagem mesmo que o avião não caia? Para responder essas dúvidas elaborei este post baseado nos principais artigos científicos disponíveis sobre o tema.

saiba como prevenir uma trombose em viagens de avião

A crença de que as viagens de avião podem causar trombose venosa profunda, embolia pulmonar e até a morte é decorrente do fato de que em viagens de muitas horas, ficamos muito tempo sentados, sem mexer as pernas. Essa imobilidade prejudica o retorno do sangue venoso dos pés e pernas de volta para o coração. Como eu expliquei no artigo "Trombose venosa profunda: saiba como prevenir e tratar este problema", quando a velocidade do sangue diminui dentro das veias pode haver a formação de um coágulo de sangue. Esse coágulo leva a um entupimento da veia. Esse entupimento é o que os médicos chamam de trombose.
A trombose causa inchaço, dor e endurecimento da perna afetada. Porém, o problema pode ir além da perna... Um fragmento desse coágulo formado pode se soltar e ir parar nos pulmões. Nesse caso, temos uma condição chamada embolia pulmonar, que pode levar desde uma discreta dor e dificuldade ao respirar até a morte súbita.

Mas será que as horas que passamos sentados na poltrona do avião são suficientes para a formação desses coágulos?

Um estudo realizado com 8755 funcionários de companhias aéreas que trabalhavam em aeronaves observou, após 8 semanas de seguimento correspondendo a 102.429 horas de vôo,  apenas 22 casos de trombose foram diagnosticados. Essa frequência é muito próxima à encontrada em pessoas que não trabalham no ar. (saiba mais sobre esta pesquisa clicando aqui)
A formação de coágulos nas veias pode levar a tromboseUm outro estudo que analisou os resultados de outras 25 pesquisas realizadas anteriormente mostrou que para pessoas normais, de baixo risco para trombose, a chance de ter um evento como este após uma viagem de avião é de 0,1 a 2,66 por milhão de viagens. Ou seja: o risco é muito baixo.
Porém, para as pessoas que tem fatores de risco para trombose, essa chance aumenta e muito: chega a 2,8% (1000 vezes maior), em vôos com duração de mais de 10 horas.
Esse estudo também observou que, quanto mais longa a viagem, maior o risco de ter trombose. O risco aumenta especialmente nas viagens acima de 8 horas. (leia o estudo na íntegra clicando aqui)

Mas quem são as pessoas que têm mais risco de ter trombose e devem tomar mais cuidado nas viagens longas?


- Pessoas que têm câncer (em tratamento ou não)
- Pessoas com mobilidade limitada: cadeirantes, deficientes físicos, idosos com demência
- Obesos
- Fumantes
- Gestantes e mulheres que acabaram de ter filhos (puérperas)
- Pessoas com varizes de grosso calibre
- Pessoas que realizaram cirurgia recentemente (principalmente se foi de grande porte)
- Pessoas com problemas nos fatores de coagulação (trombofilias)

Essas pessoas precisam ter atitudes durante as viagens longas para evitar que tenham uma trombose.
Aquele mesmo estudo que comentei acima, verificou que o uso de meias elásticas de compressão foi benéfico para a prevenção do problema. Em 1237 pessoas que utilizaram a meia elástica houve 2 casos de trombose (0,2%). Já nos outros 1.245 que não usaram nada, foram encontradas 46 tromboses venosas (3,7%).

Portanto, para quem tem algum dos fatores de risco que eu citei acima vale a pena agir para diminuir o risco de ter uma trombose durante uma viagem de avião.

Previna-se da trombose em viagens longas

- Use meias elásticas de compressão
- Hidrate-se: tome muita água e evite as bebidas alcoólicas durante a viagem
- Mexa-se, não permaneça muito tempo sentado: a cada 30 minutos levante-se, ande pelo corredor, vá ao banheiro.
- Faça exercícios com os pés enquanto tiver sentado: movimente o pé para cima e para baixo para movimentar os músculos da panturrilha e mandar o sangue de volta para o coração!
- Evite calmantes e medicamentos para dormir: eles podem fazer com que você fique imóvel por muito tempo!

Uma maneira de evitar a trombose em viagens de avião é realizar exercícios com os pés


Se voce já teve trombose, tromboembolismo pulmonar ou sabe que tem um problema da coagulação (trombofilia), converse com seu médico. Nesses casos há indicação de tomar medicação anticoagulante como prevenção a uma nova trombose (especialmente se a viagem é mais longa do que 8 horas).

Tudo isso que falei também vale para viagens longas de carro, ônibus, trem, barco e outros meios de transporte. Toda vez que ficamos muito tempo sentados e parados, o risco de ter uma trombose aumenta!

Encaminhem suas dúvidas, terei prazer em respondê-las! Pode ser pelo Fale ConoscoFacebook, Twitter ou Google Plus!



Dra Juliana Puggina - Cirurgia Vascular - CRM/SP 134.963
Sobre a autora
Dra. Juliana Puggina é médica cirurgiã vascular e escreve artigos informativos no blog 'Pernas pra que te quero'. Formada em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com residência médica em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Universidade de São Paulo (USP). Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of Phlebology.

Clínica Essenza
Rua Oscar Freire 2250 cj 101 e 102 -Jd. América - São Paulo/SP

Entre em contato:
Telefone 11 3061-3892
Whatsapp 11 97479 2250



Tratamento para varizes com espuma: quando deve ser feito?

O uso dos esclerosantes em forma de espuma tem se popularizado nos último anos como tratamento para as varizes e vasinhos. Como qualquer tratamento, a espuma tem seus riscos e benefícios. Nesse artigo, vou explicar um pouco mais sobre o método e em que situações ele pode ser indicado.

A espuma de polidocanol é uma alternativa ao tratamento das varizes


Mas, afinal, o que é essa espuma?


O tratamento para varizes com espuma é um tipo de escleroterapia. A escleroterapia é um tratamento em que injetamos uma substância no interior da veia para induzir o seu fechamento, inutilizando-a.
Em 2001, um médico italiano chamado Lorenzo Tessari descreveu uma técnica em que os líquidos esclerosantes eram misturados ao ar através de duas seringas conectadas por uma torneirinha, formando uma espuma. O objetivo do Dr. Tessari era produzir um esclerosante que fosse mais eficaz, tratando as varizes de forma simples, barata e sem cirurgia. O estudo do Dr Tessari pode ser lido em detalhes aqui.
A espuma pode ser feita com dois tipos de esclerosantes: o tetradecil sulfato de sódio (Sotradecol®) e o polidocanol. O mais utilizado no Brasil é o polidocanol.
A aplicação de espuma na veia safena e varizes maiores deve ser realizada com ajuda do ultrassom

Em que casos o tratamento com espuma deve ser realizado?


O tratamento com espuma de polidocanol está indicado principalmente para as varizes e veias reticulares. Ela pode ser aplicada inclusive na veia safena, que é a principal veia superficial da perna.  A veia fica inutilizada, funcionando como se a tivéssemos retirado em um procedimento cirúrgico. A aplicação na veia safena, nas veias perfurantes e nas varizes maiores deve ser realizado com a ajuda de um aparelho de ultrassom, para identificar exatamente onde está a veia a ser tratada e injetar a espuma bem dentro dela.
Já para as veias menores, como as veias reticulares e as telangiectasias (vasinhos), a aplicação pode ser feita diretamente a olho nu, ou com ajuda de um aparelho de fleboscopia, que utiliza luz LED para deixar as veias mais evidentes.

Benefícios e riscos da espuma para o tratamento das varizes

Você deve estar pensando: Nossa, que maravilha! Isso é o fim da cirurgia para varizes! Para que operar se você pode apenas injetar uma espuma no interior da veia e está tudo resolvido!
Porém, como todo tratamento, a espuma tem seus problemas.
A grande vantagem desse procedimento é justamente evitar uma cirurgia. Ele pode ser realizado no próprio consultório do médico Cirurgião Vascular sob anestesia local, e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita.
Porém, a efetividade do tratamento para varizes com espuma não é tão boa quanto à cirurgia, seja a cirurgia tradicional ou os métodos mais recentes como laser e radiofrequência. (Se quiser saber mais sobre as alternativas de tratamento para varizes leia: "Como tratar varizes nas pernas?" , "Cirurgia para varizes: saiba como é feita passo-a-passo" e "Radiofrequência: uma alternativa à cirurgia convencional de varizes")

Um estudo realizado com 500 pacientes na Dinamarca, publicado em 2011 no British Journal of Surgery (leia aqui) mostrou que, após 1 ano, o refluxo da veia safena voltou em 16,3% dos pacientes tratados com espuma. Esse resultado foi significantemente pior do que o da cirurgia de termoablação de safena com laser e com radiofrequência, em que a taxa de insucesso foi de 5,8 e 4,8% respectivamente.
Em outras palavras, existe uma chance de mais ou menos 16% do tratamento não dar certo.
Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, flebites, manchas escuras na pele e feridas. As complicações mais graves, relacionadas a trombose são muito raras, menores do que 1%. Já a hiperpigmentação (manchas escuras) é bem mais comum, causando um incomodo estético ao paciente.
Sendo assim, a recomendação é que o tratamento para varizes com espuma seja realizado quando o paciente não pode operar, não quer operar ou se a cirurgia para varizes não está disponível.

É possível tratar os vasinhos com espuma?


A espuma também pode ser utilizada para tratamentos estéticos, como na escleroterapia das veias reticulares e telangiectasias, os famosos "vasinhos".
Nesses casos, a concentração do medicamento esclerosante é menor, o que diminui a chance de surgimento de manchas escuras, necrose e feridas na pele. A concentração geralmente utilizadas nos casos estéticos é a 0,5%. Um estudo publicado em 2010 demostrou que esta concentração e segura e efetiva (leia aqui).
A efetividade desse método é semelhante às outras técnicas de escleroterapia. Para saber mais sobre as alternativas de tratamento para os vasinhos, clique em "Vasinhos nas pernas: como acabar com eles!".

Conclusão: o tratamento com espuma para varizes é uma boa opção, mas precisa ser bem indicada. Converse com seu médico Cirurgião Vascular sobre essa opção de tratamento.

As dúvidas podem ser enviadas pelo Fale Conosco, ou pelo Facebook, Twitter e Google Plus!


Dra Juliana Puggina - Cirurgia Vascular - CRM/SP 134.963
Sobre a autora
Dra. Juliana Puggina é médica cirurgiã vascular e escreve artigos informativos no blog 'Pernas pra que te quero'. Formada em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com residência médica em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Universidade de São Paulo (USP). Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of Phlebology.

Clínica Essenza
Rua Oscar Freire 2250 cj 101 e 102 -Jd. América - São Paulo/SP

Entre em contato:
Telefone 11 3061-3892
Whatsapp 11 97479 2250






Dez passos para ter pernas lindas

Não dá para lembrar da saúde e beleza das pernas somente na hora de colocar uma saia, shorts ou vestido na época do verão. Para manter as pernas em dia, é necessário o cuidado no dia-a-dia, todos os dias do ano. Para você que quer cuidar melhor das pernas, elaborei esta lista de 10 dicas para ter pernas deslumbrantes e saudáveis.

Saiba como cuidar das pernas para que elas fiquem lindas!

1- Caminhe bastante


A caminhada é um excelente exercício para estimular a circulação das pernas. Como eu expliquei nos artigos 'Por que eu tenho varizes?' e 'Salto alto causa varizes?', o retorno do sangue que está nas pernas de volta para o coração é feito pelos veias com a ajuda da compressão da musculatura da panturrilha. Quanto mais movimentamos a musculatura, melhor é o bombeamento do sangue e menor a probabilidade de formação de varizes, inchaço e dores nas pernas.

2- Use meias elásticas de compressão


Se você fica muito tempo em pé ou sentada no dia-a-dia vale a pena utilizar meias elásticas de compressão. Para as pessoas que não têm varizes, estão indicadas as meias de suave compressão (ou 15-20 mmHg). Essas meias podem ser compradas sem receita médica em magazines, drogarias e casas de material cirúrgico e ortopédico. As meias evoluiram muito nos últimos anos e já é possível encontrar no Brasil meias de diversas cores, com rendas e detalhes que as deixam muito parecidas com as meias finas tradicionais. Portanto, ficar com vergonha por estar com uma meia bege esquisita é coisa do passado.
As meias elásticas de compressão estão mais bonitas e discretas atualmente
A meia não previne as varizes ou vasinhos, mas ajuda a melhorar o retorno venoso e previne inchaço e dores nas pernas.  Para quem tem varizes, a compressão deve ser maior e a meia deve ser prescrita pelo médico.

3- Fortaleça a musculatura


Musculação, pilates, yoga, cross fit, ginástica localizada, subir e descer escadas.... vale tudo para deixar a musculatura da perna e da coxa mais fortes e combater a celulite e a flacidez. Não tem outro jeito: o tempo e a gravidade são implacáveis e a melhor forma de manter pernas bonitas é cuidar para que os músculos estejam sempre fortes.

4- Trate as varizes e vasinhos


Grande parte das mulheres tem vasinhos ou varizes nas pernas e muita gente não sabe o que fazer para prevenir e melhorar este problema. No artigo 'Vasinhos nas pernas: como acabar com eles?' expliquei que a principal forma de atacar o problema é com a escleroterapia tradicional ou com laser. Já as varizes, que são veias maiores, tortuosas e "saltadas", o tratamento é cirúrgico: seja a microcirurgia com anestesia local, nos casos mais leves e localizados, ou até cirurgia maiores que exigem internação. Além da cirurgia tradicional, atualmente os cirurgiões vasculares dispõem de novas técnicas para acabar com as varizes, que utilizam laser e radiofrequência. Falei um pouco sobre o tratamento das varizes nos artigos: 'Como tratar varizes nas pernas?', 'Cirurgia para Varizes: saiba como é feita passo a passo' e 'Radiofrequencia: uma alternativa à cirurgia tradicional de varizes'. Se você quer saber mais sobre o tratamento dos vasinhos e varizes com laser, também já escrevi sobre isso. Acesse o artigo: 'Laser para varizes e vasinhos funciona?'

5 - Acabe com as manchas


Ter pernas lisinhas e sem manchas é possível, mas exige dedicação. Para acabar com as manchas, os médicos dermatologistas dispõem de um arsenal que inclui cremes clareadores, ácidos, aplicação de luz pulsada e laser. É importante consultar um médico especialista no problema para saber qual é a melhor técnica para sua caso. Além disso, é imprescindível o uso do filtro solar sempre que as pernas forem expostas. Mesmo que você não estiver curtindo uma praia ou piscina, basta colocar um short ou saia que os raios solares vão atingir sua pele e prejudicar seu tratamento! Todo cuidado é pouco.

6- Livre-se dos pêlos


Existe uma infinidade de métodos de depilação e é importante escolher um método seguro, evitando queimaduras e irritação na pele. Pode ser lâmina, cera, linha, depilador elétrico, cremes depilatórios, laser ou luz pulsada. Os dois últimos mais duradouros, porém muito mais caros. Tanto o laser quanto a luz pulsada devem ser feitos por médicos ou profissionais qualificados e treinados sob a supervisão destes para diminuir os riscos e melhorar os resultados.

Diminuir o peso ajuda a melhorar os problemas da circulação

7 - Elimine os quilinhos extras

Diminuir o peso corporal, além de melhorar o contorno da perna, diminuir seu diâmetro e amenizar a celulite, também auxilia a circula ção do sangue. O excesso de peso e, principalmente, o aumento da gordura abdominal leva a piora do retorno venoso, piorando as varizes e o inchaço. Portanto, é imprescindível diminuir o peso e a barriguinha para ter as pernas dos seus sonhos.

8 -  Mantenha uma alimentação saudável

Essa dica é para ajudar a atingir o objetivo da dica anterior. Não tem outro jeito: o que engorda é a comida que comemos e para emagrecer é necessário comer menos e melhor. Isso não é novidade para ninguém. Além de ajudar no emagrecimento, a alimentação balanceada dá energia para realizar os exercícios físicos e previne doenças mais sérias, como a deposição de gordura nas artérias, a aterosclerose, principal causa de infartos, derrames e morte. Para saber um pouco mais sobre como a alimentação pode influenciar na circulação sanguínea, leia o artigo: 'Alimentação e problemas da circulação: saiba o que comer para manter a saúde vascular!'.

9 -  Hidrate a pele e o corpo

A hidratação é fundamental para a manutenção da saúde e beleza da pele das pernas. Usar cremes hidratantes é importante para manter a pele sem rachaduras, descamação e a combater o envelhecimento. Mas ainda mais importante é tomar água pela boca. Pelo menos 2 litros ou 8 copos de água por dia vai ajudar não só suas pernas, mas seu organismo como um todo a funcionar melhor.

10 - E o salto alto? 

Muitas mulheres utilizam o salto para melhorar a aparência das pernas. Sem dúvida, o salto propicia uma aparência de pernas torneadas, ajuda a disfarçar a celulite e a flacidez. Ainda não existe um consenso entre os pesquisadores quanto à influência do uso do salto alto nos problemas da circulação do sangue. Expliquei isso detalhadamente no artigo "Salto alto causa varizes?" Porém, já foi comprovado que o uso exagerado do salto alto pode acarretar problemas nas articulações do tornozelo, joelho e pé, assim como encurtamento de tendões e outros problemas ortopédicos. Então meninas, o salto pode ser usado, mas não abuse dele. 

Dúvidas, perguntas, críticas e elogios podem ser enviados pelo Fale Conosco, ou pelo Facebook, Twitter e Google Plus!
Um abraço para todos os leitores!


Dra Juliana Puggina - Cirurgia Vascular - CRM/SP 134.963
Sobre a autora
Dra. Juliana Puggina é médica cirurgiã vascular e escreve artigos informativos no blog 'Pernas pra que te quero'. Formada em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com residência médica em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Universidade de São Paulo (USP). Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of Phlebology.

Clínica Essenza
Rua Oscar Freire 2250 cj 101 e 102 -Jd. América - São Paulo/SP

Entre em contato:
Telefone 11 3061-3892
Whatsapp 11 97479 2250