Tratamento para varizes com espuma: quando deve ser feito?

O uso dos esclerosantes em forma de espuma tem se popularizado nos último anos como tratamento para as varizes e vasinhos. Como qualquer tratamento, a espuma tem seus riscos e benefícios. Nesse artigo, vou explicar um pouco mais sobre o método e em que situações ele pode ser indicado.

A espuma de polidocanol é uma alternativa ao tratamento das varizes


Mas, afinal, o que é essa espuma?


O tratamento para varizes com espuma é um tipo de escleroterapia. A escleroterapia é um tratamento em que injetamos uma substância no interior da veia para induzir o seu fechamento, inutilizando-a.
Em 2001, um médico italiano chamado Lorenzo Tessari descreveu uma técnica em que os líquidos esclerosantes eram misturados ao ar através de duas seringas conectadas por uma torneirinha, formando uma espuma. O objetivo do Dr. Tessari era produzir um esclerosante que fosse mais eficaz, tratando as varizes de forma simples, barata e sem cirurgia. O estudo do Dr Tessari pode ser lido em detalhes aqui.
A espuma pode ser feita com dois tipos de esclerosantes: o tetradecil sulfato de sódio (Sotradecol®) e o polidocanol. O mais utilizado no Brasil é o polidocanol.
A aplicação de espuma na veia safena e varizes maiores deve ser realizada com ajuda do ultrassom

Em que casos o tratamento com espuma deve ser realizado?


O tratamento com espuma de polidocanol está indicado principalmente para as varizes e veias reticulares. Ela pode ser aplicada inclusive na veia safena, que é a principal veia superficial da perna.  A veia fica inutilizada, funcionando como se a tivéssemos retirado em um procedimento cirúrgico. A aplicação na veia safena, nas veias perfurantes e nas varizes maiores deve ser realizado com a ajuda de um aparelho de ultrassom, para identificar exatamente onde está a veia a ser tratada e injetar a espuma bem dentro dela.
Já para as veias menores, como as veias reticulares e as telangiectasias (vasinhos), a aplicação pode ser feita diretamente a olho nu, ou com ajuda de um aparelho de fleboscopia, que utiliza luz LED para deixar as veias mais evidentes.

Benefícios e riscos da espuma para o tratamento das varizes

Você deve estar pensando: Nossa, que maravilha! Isso é o fim da cirurgia para varizes! Para que operar se você pode apenas injetar uma espuma no interior da veia e está tudo resolvido!
Porém, como todo tratamento, a espuma tem seus problemas.
A grande vantagem desse procedimento é justamente evitar uma cirurgia. Ele pode ser realizado no próprio consultório do médico Cirurgião Vascular sob anestesia local, e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita.
Porém, a efetividade do tratamento para varizes com espuma não é tão boa quanto à cirurgia, seja a cirurgia tradicional ou os métodos mais recentes como laser e radiofrequência. (Se quiser saber mais sobre as alternativas de tratamento para varizes leia: "Como tratar varizes nas pernas?" , "Cirurgia para varizes: saiba como é feita passo-a-passo" e "Radiofrequência: uma alternativa à cirurgia convencional de varizes")

Um estudo realizado com 500 pacientes na Dinamarca, publicado em 2011 no British Journal of Surgery (leia aqui) mostrou que, após 1 ano, o refluxo da veia safena voltou em 16,3% dos pacientes tratados com espuma. Esse resultado foi significantemente pior do que o da cirurgia de termoablação de safena com laser e com radiofrequência, em que a taxa de insucesso foi de 5,8 e 4,8% respectivamente.
Em outras palavras, existe uma chance de mais ou menos 16% do tratamento não dar certo.
Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, flebites, manchas escuras na pele e feridas. As complicações mais graves, relacionadas a trombose são muito raras, menores do que 1%. Já a hiperpigmentação (manchas escuras) é bem mais comum, causando um incomodo estético ao paciente.
Sendo assim, a recomendação é que o tratamento para varizes com espuma seja realizado quando o paciente não pode operar, não quer operar ou se a cirurgia para varizes não está disponível.

É possível tratar os vasinhos com espuma?


A espuma também pode ser utilizada para tratamentos estéticos, como na escleroterapia das veias reticulares e telangiectasias, os famosos "vasinhos".
Nesses casos, a concentração do medicamento esclerosante é menor, o que diminui a chance de surgimento de manchas escuras, necrose e feridas na pele. A concentração geralmente utilizadas nos casos estéticos é a 0,5%. Um estudo publicado em 2010 demostrou que esta concentração e segura e efetiva (leia aqui).
A efetividade desse método é semelhante às outras técnicas de escleroterapia. Para saber mais sobre as alternativas de tratamento para os vasinhos, clique em "Vasinhos nas pernas: como acabar com eles!".

Conclusão: o tratamento com espuma para varizes é uma boa opção, mas precisa ser bem indicada. Converse com seu médico Cirurgião Vascular sobre essa opção de tratamento.

As dúvidas podem ser enviadas pelo Fale Conosco, ou pelo Facebook, Twitter e Google Plus!


Dra Juliana Puggina - Cirurgia Vascular - CRM/SP 134.963
Sobre a autora
Dra. Juliana Puggina é médica cirurgiã vascular e escreve artigos informativos no blog 'Pernas pra que te quero'. Formada em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com residência médica em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Universidade de São Paulo (USP). Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of Phlebology.

Clínica Essenza
Rua Oscar Freire 2250 cj 101 e 102 -Jd. América - São Paulo/SP

Entre em contato:
Telefone 11 3061-3892
Whatsapp 11 97479 2250






Postar um comentário